Queda do desemprego pode ter influência da reforma.

Número de desempregados caiu quase em um milhão de pessoas, aponta relatório do PNAD-IBGE do final de 2018.

Segundo Flavio Sirangelo, ex-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, que abrange o estado do Rio Grande do Sul, o motivo principal para este dado é de natureza econômica e jurídica.

“A economia e, portanto, o mercado de trabalho, funcionam por mecanismos de incentivos ou desincentivos. Logo, é razoável supor que o arejamento que a reforma trabalhista trouxe para a regulação das relações de trabalho no Brasil funcionou como um incentivo para novas contratações e/ou para novos empreendimentos geradores de emprego”.

Flavio Sirangelo

Para ele,  a inadequação da CLT em relação às necessidades e às práticas do mercado de trabalho causava um ambiente de imprevisibilidade e de insegurança jurídica, funcionando como desincentivo à expansão das contratações.

Sirangelo afirma que a redução no número de desempregados tem como influência principal o desempenho da atividade econômica correlacionada com as mudanças na CLT. Sirangelo se baseia no fato de que entre novembro de 2017, quando a reforma ainda era debatida, e novembro de 2018, com ela em vigor, o número de desempregados caiu em um milhão. Segundo Sirangelo isso não é uma “coincidência”.

Fonte: www.conjur.com.br

Grupo KRS Autor